Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘recursos humanos’

Todos já sabem que brasileiro é empreendedor e que os maiores responsáveis pela geração de emprego em nosso país é a pequena e média empresa. Dessa forma o empreendedor médio passa a ter uma responsabilidade grande no que se refere à qualidade de vida não só dos seus funcionários, mas dele próprio principalmente.

 O empreendedor é figura principal quando o assunto é a qualidade de vida no trabalho. Essa afirmação é verdadeira porque qualidade de vida mora muito mais no âmbito cultural do que se possa imaginar, e se o empreendedor se preocupa com sua própria qualidade de vida então ele já possui a cultura necessária para desenvolve-la.

 Cultura organizacional

 Com a cultura no topo da “cadeia de comando” todo o contingente será beneficiado. Assim a cultura da qualidade de vida poderá ser disseminada de forma mais eficiente através das políticas internas e externas, dos sistemas e valores da empresa.

A forma de pensar do dono da pequena e média empresa é importante. Ele próprio tem em seu perfil a constante busca pelo desenvolvimento humano, o qual não existe sem qualidade de vida.

 Qualidade de vida no trabalho

 Sem a cultura não adianta arcar com os custos dos equipamentos e programas de treinamentos para o quadro de funcionários. Você já ouviu a história do operário de construção que não usa o capacete para não parecer maricas?

 Leia mais e comente no Comunicação Empreendedora

 qualidadedevidanotrabalho

Anúncios

Read Full Post »

Na gestão de um pequeno negócio, você não poderá esquecer de capacitar sua equipe de trabalho. Além de suas diversas ações de tentar nutrir a efetividade de seu grupo de trabalho.

 Para se ter uma boa atuação com sua equipe de trabalho é necessário (HACKMAN, 2005):

  • Estruturá-la, estabelecendo seus propósitos, suas atividades e o nível de conhecimento e habilidade necessária;
  • Obter os recursos para que as atividades possam ser desenvolvidas;
  • Remover os obstáculos que impedem o trabalho;

Ajudar e fortalecer as contribuições individuais para o fortalecimento do grupo, para que possam cada vez mais utilizar os recursos do grupo para o propósito comum.

Mas para que o desempenho seja efetivo, é necessário acompanhar:

  • Se a produção da equipe se corresponde em quantidade e qualidade exigidas pelos clientes;
  • O relacionamento entre os membros da equipe. Se existe espaço para detectar e corrigir erros antes de danos mais sérios, e/ou identificar as tendências e demandas que estimula uma atuação proativa da empresa.

 Como você faz ou planeja fazer a gestão de pessoas na sua empresa? Leia mais e comente no Casos & Causosgestãodepessoas.

Read Full Post »

Temos muitos gestores, gerentes, supervisores, encarregos; mas poucos são líderes. Ter uma credencial de um determinado cargo ou espaço ocupacional de uma empresa não garente que esse profissional seja um líder de uma equipe ou da própria empresa. A legitimidade de um líder advém de seus líderados em que o reconhecem como tal e deixam ser guiados por ele. Na dinâmica do dia-a-dia do líder em ação existe a formação do in group e do out group, segundo a teoria de troca entre líderes e liderados (LMX).

 O in group ou grupo interno são os relacionamentos estabelecidos com um pequeno grupo que são escolhidos pela similaridades de atitudes, características de personalidade e por confiança. Esse pequeno grupo está dentro do grande grupo que é liderado, formando assim os membros que fazem parte do grupo interno e do grupo externo. É legítimo que o líder faça essa formação para que possa compartilhar suas dúvidas, visões e decisões que precisam ser tomadas com rapidez e eficácia.

 Agora quando isso ocorre de forma exagerado e viciada… a legitimidade desse líder começa a ser questionada perante os demais liderados, pois ele só compartilha com o grupo externo as decisões já formalizadas sem dar espaço para escutar sugestões e idéias divergentes que poderiam fazer a diferença nas situações vivenciadas pela empresa. Enquanto isso o in grupo, começa a ser visto com maus olhos por toda a equipe e começam a ganhar nomes pejorativos. É importante que o líder tenha equilíbrio entre a escuta do grupo interno e do grupo externo. É necessário que faça reuniões formais ou informais com os demais da equipe para que todos possam contribuir para a melhoria da empresa efetivamente.

 Diante desse reflexão… como anda seu relacionamento com os seus liderados? Leia mais e faça o seu comentário no Casos e Causos.

colaboradores1

Read Full Post »