Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘pequenos negócios’

O Brasil comemora o Dia Nacional da Pequena Empresa nesta terça-feira. E especialmente neste ano, há muito a se comemorar. O presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, destaca o reconhecimento dos negócios de pequeno porte, que deixaram de ser atores secundários e ocuparam o centro da agenda nacional. “Em todas as esferas de governo, essas empresas são indutoras do crescimento socioeconômico e do desenvolvimento brasileiro.

O presidente do Sebrae ressalta que as empresas de pequeno porte são as maiores empregadoras de quem se habilita ao primeiro emprego no País. “Também são a opção de trabalho para as mulheres, que vêem nessas empresas a porta de entrada para o mundo do trabalho”, diz. As micro e pequenas empresas são responsáveis por mais de 54% dos empregos formais, conforme dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

As MPE respondem por cerca de 20% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. “Por isso, no dia 5 de outubro é importante render homenagem a esses brasileiros que ajudam a criar a riqueza nacional, geram empregos e empreendem negócios inovadores”, assinala Okamotto. Ele lembra que esse segmento vem se qualificando empresarialmente e, nos últimos anos, conseguiu superar os desafios e obstáculos impostos pela crise financeira global.

O Sebrae, por sua vez, tem a missão de apoiar as micro e pequenas empresas em todas as suas dimensões. É uma instituição criada pela sociedade e que vem ajudando na desburocratização, levando conhecimento aos empresários por meio de cursos, consultorias, capacitações e diversas outras soluções para melhoria da gestão e acesso a mercados.

Os resultados são contados em números. Desde 2007, 2,7 milhões de empresas passaram a optar pelo Simples Nacional, que hoje é a estrutura fiscal adotada por 4 milhões de micro e pequenas empresas. Mais de 2,1 mil municípios já regulamentaram a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, o que cria um melhor ambiente para o empreendedorismo no País e proporciona um consistente mecanismo de desenvolvimento local. Os benefícios da Lei Geral vão além dos tributários. Ficou mais fácil obter crédito, tecnologia, exportar, vender para o governo, abrir empresas, se formalizar.

A regularização elevou a participação das MPE no total de compras feitas pelos governos. O volume passou de R$ 2 bilhões por ano antes da aprovação da Lei Geral para R$ 14,6 bilhões em 2010. A lei que criou a figura do Empreendedor Individual em julho de 2009 foi outra conquista. Pouco mais de um ano após entrar em vigor, 600 mil autônomos formalizaram seus negócios em todo o País.

“Rendemos homenagem aos empresários dos diversos setores da atividade econômica do País, e reiteramos que o Sebrae vai continuar parceiro das micro e pequenas empresas”, garante Paulo Okamotto.

Agência Sebrae de Notícias – (61) 2107-9106, 2107-9110, 8118-9821 e 9977-9529
www.agenciasebrae.com.br

Anúncios

Read Full Post »

Na verdade, a cada dia que passa, percebemos que as fronteiras entre o que é trabalho, lazer e prazer praticamente não existem mais.
Quando Domenico de Masi fala em Ócio Criativo, ele não se limita aos eventuais benefícios do tempo livre: ele se refere ao trabalho, aprendizado e prazer se misturando cada vez mais, resultando em idéias e ações criativas.
Por isso, que tal pensar em um período de férias produtivo?
Incrementar sua loja com artigos de inverno, servir um cardápio diferenciado ou capacitar a linha de frente do seu atendimento podem ser ótimas estratégias para aproveitar as férias para aumentar o seu faturamento.
Além disso, é possível pensar em alternativas de negócios com tempo certo para terminar: oficinas de contar histórias, de pintura ou de culinária para as crianças são nichos interessantes e para os quais muitos empreendedores já têm despertado. Outros têm desenvolvido pequenos circuitos turísticos aproveitando o potencial do inverno para toda a família.
Seja qual for a sua escolha, você pode utilizar o espaço de seu próprio negócio ou identificar mecanismos de locação ou terceirização de parte de sua idéia, principalmente se for uma nova experiência.
Negócios sazonais podem permitir que empreendedores descubram novos comportamentos e que exercitem todas as fases de um empreendimento num curto período de tempo. Ao mesmo tempo, novos nichos de negócios podem ser consolidados nas empresas com maior tempo de atividade.
  • Seja qual for o seu caso, não esqueça a importância do planejamento.
  • Identifique sua vocação e seu interesse pessoal no negócio.
  • Investigue o potencial de consumo de sua nova idéia, pois se não houver clientes prontos a consumir seu produto/serviço, não valerá a pena lançá-lo no mercado.
  • Defina a necessidade de pessoas, faça previsões de venda e de custos operacionais, identifique fornecedores e reflita sobre o quanto você está disposto a trabalhar, afinal enquanto muitos estarão desfrutando o frio do inverno para descansar, você vai suar a camisa, aproveitando a ocasião para aquecer o faturamento de seu negócio.
Leia mais e comente no blog Lounge Empreendedor.

Read Full Post »

Muitas pessoas pretendem abrir um empreendimento, concretizando seus objetivos com a constituição de uma sociedade empresarial com amigos, parentes e ou investidores.

Neste post gostaria de refletir sobre a escolha e aspectos negociáveis que precisam ser realizados antes de se pactuar a sociedade. Este momento prévio é importante para o sucesso empresarial, pois a relação societária interfere na gestão do empreendimento.

Primeiro faz-se necessário saber escolher o potencial sócio. Nunca faça acordo para uma sociedade por conta do investimento que este suposto sócio vai fazer ou porque sua atividade exige uma constituição jurídica societária.

Averigue o perfil desse sócio quanto a:

  • valores que norteiam sua vida princípios éticos;
  • visão de futuro do negócio;
  • grau de ambição;
  • enxergam o empreendimento como sobrevivência, um bico ou uma oportunidade;
  • compatibilidade ou tolerância religiosa;
  • habilidade interpessoal no saber se relacionar com sócio(s), funcionário(s) e clientes;
  • contribuições não financeiras para sociedade – conhecimentos, rede de contatos e tempo para atuar na empresa
  • Ao realizar a análise econômica e financeira do futuro empreendimento, verificar:
  • potencialidade do empreendimento de gerar o pró-labore aceitável para os sócios;
  • montante financeiro que cada um irá investir para compor o patrimônio societário;
  • definição da distribuição das cotas que irão representar a composição e responsabilidade do capital social da empresa.

Para o dia a dia da empresa é fundamental criar algumas regras antes de assinar o contrato social:

  • definição das retiradas financeiras e sua periodicidade;
  • decisões que cada sócio poderá tomar de forma autônoma ou em conjunto;
  • auditoria e acompanhamento do histórico financeiro da empresa;
  • atividades que cada um irá exercer no empreendimento;
  • ter ou não a presença de familiares na gestão da empresa;
  • em caso de sucessão de um dos sócios, poderão os parentes assumirem ou as cotas terão que ser comercializadas para outro sócio, com concordância do atual sócio que pretende dar continuidade ao empreendimento;
  • por algum motivo haja a necessidade, um dos sócios precise se retirar da sociedade, qual será o procedimento ou tramitação de troca de sócio e o método de valorização ou precificação das cotas.

Quer saber como fazer isso ANTES de firmar uma sociedade? Leia mais e comente no blog Casos & Causos.

Read Full Post »

Para muitas pessoas a empresa se resume ao balcão de atendimento, mas elas precisam aprender que é justamente ali que ela começa para o empreendedor.

Quando você descobre a vida que existe por detrás do balcão, não cheio de luzes, cores, e clientes, mas com muitos formulários, planilhas, alguns repletos de informações e ainda por serem preenchidos, novos desafios se apresentam exigindo mais atitude e determinação por parte do futuro empresário.

Neste ambiente, os dados da empresa podem, em uma primeira vista, estarem escondidos em caixas-pretas (que são na verdade na cor laranja), espalhados por diversos caminhos, alguns atalhos, mas o desbravador, sabendo utilizar as ferramentas adequadas terá acesso ao vasto universo de conhecimento sobre o negócio.

Assim a nossa aventura tem início. Leia mais e comente no blog Gestão de Negócios.

Read Full Post »

Desde criança nossos ouvidos se acostumam a ouvir “não”. Não pode nadar depois de comer. Não pode bater nos amiginhos da escola. Não pode tomar sorvete antes de almoçar. É tanto “não” que até perde a graça e talvez de tanto ouvir, não aprendemos a falar.

Não aprendemos a atribuir nosso valor e não conseguimos perceber que as pessoas podem nos amar mesmo que não sejamos suas escravas. Vivemos num mundo em que somos ensinados a ser mais aparência do que essência e onde vale mais ser o que os outros precisam que sejamos, do que fazer valer nossas vontades.

Pense em quantas vezes você saiu insatisfeito de uma situação em que não conseguiu dizer não. Os motivos podem ser vários: sentir-se ameaçado, querer agradar ou querer provar ser um super-herói que na verdade não existe – uma pessoa perfeita que pode sozinha realizar suas tarefas, cuidar da família, da sua comunidade e ajudar as pessoas, mesmo que isso a prejudique ou sacrifique suas próprias vontades.

Mas será que precisamos mesmo disso? Continue lendo no blog Lounge Empreendedor.

Read Full Post »

Define-se Inteligência social como aquela que permite a um líder escolher a forma social apropriada para grupos e departamentos – grupos de trabalho comprometidos, grupos autogerenciáveis – e orientar as pessoas em seus relacionamentos, enquanto a Inteligência emocional  está focada em sentir as emoções em tempo real e identificar a mensagem que está por trás delas.

Sabemos que nas organizações as pessoas são as responsáveis pelo sucesso da implementação da mudança. A organização deve conscientizar os colaboradores para as transformações que estão ocorrendo no mercado, e sobre o papel de cada um no processo de mudança. Nenhuma mudança organizacional é possível a menos que os indivíduos mudem seus comportamentos, suas atitudes, seus pensamentos para afetar e sustentar a mudança. Assim, para que as organizações mudem é preciso primeiro mudar as pessoas que residem dentro delas. Se as pessoas não vêem ou não sentem a necessidade da mudança, elas não se comprometem com o programa.Como isso é planejado e executado aí na sua empresa? Leia mais e comente no blog da Isabel Ribeiro.

Read Full Post »

Quais as vantagens e as desvantagens de se começar um negócio em família?

Vantagens

  • Trabalhar diretamente com quem se conhece o caráter desde o inicio
  • O sistema de decisões tende a ser muito rápido
  • Comunicação mais facilitada e direta
  • Metas e objetivos mais facilmente compartilhados
  • Sobrevivência do negócio é responsabilidade de todos

Desvantagens

  • Conflitos de interesses entre família e empresa
  • Planejamento financeiro feito priorizando a família e depois a empresa
  • Objetivo de enriquecimento familiar é anterior ao plano de crescimento da empresa
  • Consangüinidade é fator impeditivo de profissionalização e melhoria de competências
  • Liderança não pode ser contestada em função de respeito familiar.

Quais os principais problemas / dificuldades que esses empresários enfrentarão no início da empresa (levando em consideração o fato de serem parentes)?

  • Falta de determinação clara de metas, responsabilidades e objetivos
  • Rivalidades pessoais podem virar conflitos de relacionamento pessoal entre departamentos
  • Falta de disciplina administrativa
  • Excesso de comunicações informais

Como superar essas dificuldades?

  • Ter ciência e consciência que família e empresa são entes com personalidades próprias;
  • Os sócios e familiares comprometidos com a continuidade da empresa;
  • Interesses pessoais ficam em segundo plano se comparados á empresa;
  • Diferenças pessoais devem ser respeitadas e até mesmo valorizadas
  • Zelar pela harmonia das relações interpessoais
  • Os sócios e seus familiares comprometidos com a excelência da empresa;
  • Descobrir e reforçar os valores da família em cada um dos seus futuros herdeiros;
  • Haver pleno comprometimento com a profissionalização;
  • Os sócios devem agir com evidenciação e transparência de seus atos

É possível dar algumas dicas sobre como separar o pessoal do profissional? Leia mais e comente no blog Bom de Negócio.

Read Full Post »

Older Posts »