Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘quero abrir um negócio’ Category

Exigências pessoais, interpessoais, empresariais e mercadológicas levam cada vez mais o ser humano a buscar se diferenciar em sua forma de visão e atuação no mundo dos negócios.

Nas mais variadas formas de atuação mercadológica ou do tamanho da empresa, o mais importante é saber a visão dos dirigentes, pois sabemos que a empresa é a cara do dono, ou seja, suas características globais irão permear os caminhos internos e externos da empresa, proporcionando resultados diversos, os quais os irão gerar maior ou menor competitividade.

Diante da necessidade de se preparar, alertar, encaminhar e, principalmente despertar, fazer descobrir potencialidades, o Empretec vem através de um formato metodologicamente estudado e embasado desenvolver a partir de vivências específicas o potencial empreendedor daqueles que se candidatam e se encontram dentro do perfil que a metodologia pede para poder participar do Seminário.

Os resultados têm sido extraordinários, pois quando nos conhecemos mais e mais, sabemos como canalizar nossas potencialidades para o que desejamos, dessa forma nos tornando também exemplos para aqueles que conosco convivem no ambiente empresarial.

Também aqui ressaltamos que diante do interesse em ter um negócio próprio, muito mais nos direcionamos fazendo uso das ferramentas com maior foco e assim ampliando as possibilidades de obtenção de sucesso na ação empresarial.

Decisões simples do dia-a-dia, mas para quem tem um olhar, sentimento e ação empreendedora, torna-se diferenciada e geradora de resultados surpreendentes.

Ao mesmo tempo faz-se necessário buscar ter em sua empresa profissionais empreendedores, que tenham uma percepção de si, do outro e dos negócios dentro desse mundo que cada dia mais se torna competitivo, visionário.

Características como:

. estabelecimento de metas

. persistência

. persuasão e rede de contatos

. planejamento e monitoramento sistemático

. comprometimento

. busca de informações

Estas são algumas das características empreendedoras que o seminário Empretec busca desenvolver e muito mais potencializar, através de vivências e reflexões diversas, possibilitando aos participantes terem uma melhor e maior visão de si e do seu negócio, bem como do mercado e que passo dá, sonhando com as estrelas, mas com pés no chão.

Leia mais e comente no blog do Empretec.

Anúncios

Read Full Post »

1 – Iniciamos um negócio a partir de uma “idéia”, mas sempre devemos confirmar se esta “idéia” é realmente uma oportunidade de negócio

2 – É decisivo planejar previamente a estrutura do negócio, principalmente:

a)  investimentos necessários até a completa viabilização,

b)  limites de custos,

c)  volumes de receitas (vendas),

d)  reserva de capital

3 –  O domínio do negócio deve ser conseguido imediatamente, como os aspectos da tecnologia envolvida, condições de mercado e aspectos gerenciais.

4- Nunca misturar o dinheiro da empresa com a renda familiar.

5- Sempre manter o negócio adaptado  às necessidades do público alvo

6 – Estabelecer rapidamente parcerias com fornecedores e com concorrentes

7- Manter crescente a agressividade da estratégia de vendas: ultrapassar no tempo certo o “ponto de equilíbrio”, no qual os gastos se equilibram com as receitas.

8 – Empresários de sucesso não permitem que o processo operacional seja dependente de sua atuação e presença, além do tempo necessário à viabilização do negócio. O mais cedo possível o dono deve se ocupar das questões estratégicas para crescimento e exploração competente da oportunidade.

9 –  Nunca dar passos maiores que as pernas. A ação de planejar deve ser permanente e principalmente nas  decisões estratégicas os riscos devem ser cautelosamente calculados.

10 – Sempre ter objetivos e metas. As decisões e operações devem ser subordinadas ao desejo de atingir objetivos e cumprir metas de desempenho, legitimado para todos da empresa. “Quem não sabe a direção a tomar, qualquer direção serve”. Se não há um volume de lucro a perseguir, qualquer lucro serve, inclusive nenhum lucro, e a empresa morre.

Leia mais e comente no blog Ágil + Frágil

Read Full Post »

Ser empregado significa “vender” para um único cliente (a empresa que nos emprega) nosso esforço pessoal, nossas habilidades, nossos conhecimentos. Pelo tempo que este “cliente” se interessar.

Necessariamente este “cliente” deve se beneficiar dos nossos serviços em escala maior do que paga. Tão logo haja alternativas mais vantajosas, a tendência é de desfazer-se do empregado, seja por alternativas da inovação tecnológica seja por mão de obra mais jovem, mais barata. É o efeito da competição. Cada negócio precisa manter-se competitivo.

Conseguir se manter em um bom emprego, nos dias de hoje, significa manter-se tão competitivo quanto as exigências do empregador. Mesmo assim, existirá um limite. No final, a grande maioria das pessoas tem que enfrentar a rejeição do mercado e chega-se à aposentadoria. Juntar patrimônio como empregado é coisa para poucos. Sobram, em termos de renda, o benefício da aposentadoria pública, ou tem que partir desde cedo para um sacrifício a mais, para um complemento de aposentadoria.

De qualquer forma, aquilo que se construiu por toda a vida em torno do emprego, é absolutamente dependente de cada um de nós. É dependente de nossa vida ativa. Evapora, termina, se extingue quando não temos mais o emprego.

Nosso emprego não é herança para nossa família. Morre com a gente. A família não pode herdar nosso emprego, se a pessoa tiver conseguido desenvolver algum patrimônio, este fica, mas o emprego não..

Justamente esta talvez seja a mais importante característica do negócio próprio: a família sempre poderá ter uma opção a mais que é continuar com o negócio que você tenha desenvolvido, mas nunca poderá continuar com o seu emprego. Emprego é pessoal e intransferível. É um risco familiar que muitos não estão dispostos a aceitar. E você?

Há chances de conseguir o primeiro milhão com um negócio próprio. Com o emprego você vai conseguir? Leia mais e comente no blog Ágil + Frágil.

Read Full Post »

O medo é um sentimento que sugere estado de alerta, de atenção. Ele serve para proteger do perigo, estimulando a busca das “armas” para enfrentar situações mais difíceis, ou seja, aquelas em que há possibilidade de fracassar. Nesse sentido ele pode ser benéfico, pois promove a busca de informações, de conhecimento e preparação para enfrentar tais situações.

Por outro lado, quando em demasia, pode impedir a realização dos objetivos mais desafiadores. Quando é exagerado ele exige atenção extrema o que estimula a interpretação, a imaginação e a fantasia, alterando os dados e  fatos da realidade. A partir disso, passa-se a lidar, não mais com a realidade, mas com uma interpretação dela sob influência do medo.

Para o empreendedor, o medo em excesso pode afastá-lo dos seus objetivos e dos desafios inerentes a atividade por conta própria, imobilizando a sua capacidade empreendedora.

Alguns medos que acompanham os novos empreendedores:

  • O medo de perder a posição ocupada, de não ter mais um “sobrenome” conhecido, proveniente de uma grande companhia.
  • O medo do desconhecido, de enfrentar uma situação nova ainda não experimentada é comum nos pretendentes a empresários.
  • Para o empreendedor, desejar ter autonomia e independência para definir, ele próprio, os seus objetivos e fazer suas escolhas são essenciais. No entanto, para alguns é assustador, pois passaram a vida toda cumprindo tarefas e objetivos definidos por outros.
  • O medo de lidar com as múltiplas tarefas do dia a dia da empresa e de tomar inúmeras decisões.
  • O medo de perder as economias ou reduzir sua condição financeira.
  • O medo do fracasso, de certo modo, sintetiza todos os demais.

Quando o empreendedor se afasta dos seus objetivos por medo de fracassar estará também se distanciando da possibilidade de vitória, como uma moeda,  de um lado está o fracasso e de outro o sucesso. Para tornar-se empreendedor é preciso ter a ousadia para jogar um jogo em que sucesso e fracasso andam de mãos dadas. Para isso é necessário coragem para assumir certa dose de risco. Leia mais e comente no blog Empreendedorismo e Planejamento.

medo

Read Full Post »

Na exploração de uma oportunidade de negócio, o empreendedor pode optar pelo trabalho com ou sem sócios.

Nos casos em que a figura de um sócio não seja necessária, ou desejada, seja pelo fato do empreendedor possuir todas as condições, inclusive financeiras, para a exploração do novo negócio, seja por seu perfil mais centralizador, o empreendedor deverá regularizar sua situação.

Nesses casos, existem várias formas de regularização, conforme o tipo de atividade a ser exercida e também de acordo com o faturamento esperado. Veja as 3 principais modalidades de exploração de um negócio, sem a figura do sócio.

1 – Profissional autônomo: quando a atividade a ser explorada for exclusivamente de cunho intelectual, científico, literário ou artístico, o empreendedor que trabalhar sem sócios será considerado um profissional autônomo, também conhecido como profissional liberal (parágrafo único do artigo 966 do Código Civil). Este é o caso de advogados, médicos, dentistas que exercem suas atividades sem a presença de sócios. Neste caso, o empreendedor poderá ter quantos empregados quiser, não existindo restrição para a contratação de empregados. No aspecto tributário, esse empreendedor responderá como pessoa física para declaração do Imposto de Renda, devendo ainda recolher o INSS na condição de contribuinte individual, além do recolhimento do ISS – Imposto sobre Serviços–, no município onde ele exercer suas atividades.

2 – Empresário individual: em se tratando de outras atividades, que não sejam exclusivamente de cunho intelectual, científico, literário ou artístico, o empreendedor deverá se registrar como empresário individual perante a Junta Comercial do Estado no local onde ele tiver seu estabelecimento. Nesse caso, poderá optar pelo regime tributário do Lucro Real, Lucro Presumido ou Simples Nacional, conforme seu faturamento. Seu patrimônio pessoal responderá juntamente com o patrimônio de sua empresa pelas dívidas e obrigações contraídas perante terceiros. Não existem restrições no que se refere à contratação de empregados.

3 – Microempreendedor Individual: quando as atividades a serem exercidas forem as mesmas que um empresário individual, o empreendedor poderá optar pelo SIMEI – Sistema de Recolhimento em Valores Fixos Mensais dos Tributos abrangidos pelo Simples Nacional, desde que o faturamento bruto anual com o exercício de tal atividade não ultrapasse R$ 36.000,00. Nesse caso, ele não poderá ser sócio, proprietário ou administrador de outra empresa, e não poderá ter mais de um estabelecimento. Só poderá ter um empregado, cujo salário não poderá ser superior ao salário mínimo – ou ao piso da categoria profissional desse empregado.

Desta forma, é possível, desde que atendida às exigências legais, explorar uma oportunidade de negócios sem a presença de sócios.

Leia mais e comente no blog do consultor jurídico Boris Hermanson

sócios

Read Full Post »

abrir um negócio Muitas pessoas chegam até o SEBRAE querendo saber quais são os segredos para ser um empreendedor de sucesso. Apesar de não existir um perfil único que determine um empreendedor de sucesso, há uma série de características que são bastante comuns e quanto mais dessas habilidades estiverem presentes no seu negócio, melhor.

De forma geral, o empreendedor deve ter visão, iniciativa, saber planejar suas ações e gostar do que faz, além de conhecer muito bem o mercado em que pretende atuar. Ser curioso, questionador e estar atento às oportunidades que surgem – sejam de negócios, tecnologias ou inovações – são outras características importantes.

Ter uma boa rede de contatos, ter disposição para assumir e calcular riscos, aceitar e reconhecer erros, ser perseverante, autoconfiante e otimista completam o perfil ideal de um empreendedor de sucesso.

Ser empresário hoje está longe de ser o empresário de cinqüenta anos atrás quando uma empresa prosperava quase que naturalmente. Iniciar e conduzir um negócio não é simples, mas mantê-lo será ainda mais desafiante. As dificuldades surgem a todo o momento e a atitude frente a essas dificuldades será determinante para o sucesso do negócio. Num cenário cada vez mais competitivo não existe mais espaço para amadores, somente os profissionais terão “um espaço ao sol”.

E ser profissional envolve além do comportamento empreendedor, o conhecimento das competências técnicas que envolvem o “fazer acontecer” do seu negócio: comercialização, vendas, atendimento, produção, qualidade, otimização dos recursos, controles financeiros, formação de preços, logística e distribuição.

O que faz de você um candidato a empreendedor de sucesso? O que é que te motiva? Leia mais e comente no Lounge Empreendedor.

Read Full Post »

Tudo começa pela percepção de oportunidade de negócio, que é bem diferente de uma mera idéia de negócio. Se existe alguém querendo comprar os serviços e os produtos que o empreendedor pretende oferecer, então existe oportunidade de negócio. Pois na essência, uma atividade empresarial é a ação de vender e lucrar. Se for comprovada a possibilidade de vender os serviços e produtos idealizados e de lucrar, então foi encontrada uma oportunidade de negócio. Mas não basta somente vender. O que realmente é determinante de uma boa oportunidade é a quantidade de lucro que pode resultar da operação Não serve qualquer lucro. Mas somente um montante que compense, que supere em ganhos o que poderia ser obtido em outros negócios e investimentos.

Ter sucesso como empresário depende também de consciência anterior de que o lucro não vem por acaso. E que precisa ser conseguido todos os dias, e em cada venda. Para isto precisa ser desejado, precisa ser perseguido. Qual o volume de lucro que se deseja alcançar? O que precisa ser feito para conseguir?

Ter sucesso como empresário depende também de consciência anterior de que o lucro não vem por acaso. E que precisa ser conseguido todos os dias, e em cada venda. Para isto precisa ser desejado, precisa ser perseguido. Qual o volume de lucro que se deseja alcançar? O que precisa ser feito para conseguir?. Se não souber o lucro que precisa ser gerado, qualquer lucro servirá, inclusive nenhum. Se não forem determinadas metas de vendas para guiarem a operação, qualquer volume de receita servirá, mesmo que não produza lucro. Se não tiver clareza dos níveis de custos que a empresa pode operar para gerar resultados positivos, os custos ficarão incontroláveis e os resultados serão negativos. Os negócios que deram certo tinham no comando gestores que  sabiam e praticavam planejamento que definiam o caminho a seguir.

Quer saber se você está com uma simples idéia de negócio ou identificou uma oportunidade de negócio? Leia mais e comente no blog Ágil + Frágil.

Oportunidade de negocio x idéia de negócio

Read Full Post »

Older Posts »