Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Negocios’ Category

Ultrapassar os desafios, na fase de consolidação da empresa no mercado, é motivo de orgulho e tem gosto de vitória para os empreendedores que chegam lá.

Porém, alguns desafios continuam acompanhando os empreendedores entusiasmados e desejosos de crescimento.

A gestão familiar muitas vezes é a fonte de muitos problemas, tanto para empresa, quanto para a família.

A falta de planejamento deixa a empresa à deriva. Somado a isso, o empresário se depara com profissionais com baixa qualificação, o que limita a possibilidade de delegação e interfere na qualidade dos serviços e produtos.

Diante disso tudo, o empresário acaba ficando sem tempo para pensar estrategicamente, “porque tudo passa por mim”, dizem alguns empresários.

Eu já vi empresas com grande potencial de crescimento que decidiram não crescer. “Porque se eu crescer mais, não conseguirei mais ter o controle das coisas, meus braços não alcançam tudo”, dizem alguns.

Como crescer e manter a empresa sob controle? Equação difícil, não é?

Para entender o que ocorre ao longo da vida da empresa podemos observar a figura abaixo. Quando a empresa nasce, o empreendedor está buscando a fórmula de sucesso, entendendo o mercado, analisando quais produtos vendem mais, como lidar com fornecedores, clientes, funcionários. É um aprendizado que ocorre na prática do dia a dia, com erros e acertos.

Certamente,  as empresas vitoriosas são as que descobrem mais cedo a fórmula certa e são capazes de multiplicá-la.

Porém, para as empresas que querem continuar crescendo,  logo, logo, vão se deparar com o ponto em que a fórmula já testada não funciona mais, é preciso reinventá-la, promover mudanças para continuar crescendo. É o momento de reinvenção.

Leia mais e comente no blog Empreendedorismo e Planejamento.

Read Full Post »

O mercado coloca à disposição das indústrias, equipamentos e suprimentos, novas tecnologias, processos e serviços, com vistas a reduzir tempo e  custos de produção, sem comprometer a excelência de qualidade dos serviços e produtos.

Este investimento valioso deve permanecer produtivo por muito tempo, para tanto a manutenção do maquinário, com destaque para as ações de prevenção tem hoje um importante espaço no cenário das indústrias, que estão cada vez mais automatizadas.

As inovações nas tecnologias da  eletrônica, mecânica, elétrica e hidráulica servem de apoio nas decisões estratégicas da empresa. Agregam valores em termos de disponibilidade, confiabilidade, sustentabilidade, qualidade, segurança do trabalho, garantindo eficiência no desempenho e principalmente redução de custos.

A manutenção, como função estratégica das organizações é responsável direta pela disponibilidade dos ativos, tem importância capital nos resultados da empresa. Esses resultados serão tanto melhores quanto mais eficaz for a gestão da manutenção.

As organizações devem procurar as melhorias contínuas na sua gestão da manutenção, buscando-se incessantemente  conhecimentos inovadores e aplicação das melhores práticas da manutenção.

Os métodos e tipos mais comuns de manutenção são:

  • Manutenção corretiva:  efetuada após a ocorrência de uma pane destinada a recolocar um item em condições de executar uma função requerida;
  • Manutenção preventiva: efetuada em intervalos predeterminados, ou de acordo com critérios prescritos, destinada a reduzir a probabilidade de falha ou a degradação do funcionamento de um item;
  • Manutenção preditiva: permitem garantir uma qualidade de serviço desejada, com base na aplicação sistemática de técnicas de análise, utilizando-se de meios de supervisão centralizados ou de amostragem para reduzir a um mínimo a manutenção preventiva e diminuir a manutenção corretiva.

Entre todos os tipos de manutenção nenhuma modalidade substitui outra, porém associadas uma da outra, trarão resultados positivos em termos de performances gerais nas gestões.

Qualquer sistema de gestão envolve o planejamento, prolongando-se num ciclo dinâmico, que inclui a organização, a execução, a direção e o controle, o mesmo ocorre com a gestão da manutenção.

Saiba mais no blog Gestão da Produção e Qualidade.



Read Full Post »

Você já se perguntou quanto vale cada cliente da sua empresa? O valor de um cliente não pode ser medido apenas pelo que sua empresa ganha em cada negociação mas pela soma de todas as transações realizadas ao longo da vida e das indicações que ele pode fazer.

Se imaginarmos quanto um cliente pode gastar em sua empresa ao longo de toda vida teremos o valor deste cliente ao longo do tempo. Uma simples fotocopia de R$0,10 que pode trazer um resultado insignificante se considerarmos isoladamente pode gerar um resultado muito maior se imaginarmos quantas fotocópias uma pessoa tira ao longo de sua vida. Dentro desta lógica o valor de um cliente não é o valor do resultado de uma única compra mas quanto ele comprará deste mesmo produto ao longo de toda a sua vida. Passamos a enxergar o quanto este cliente realmente vale. Para que todo este potencial, que cada cliente passa a ter diante desta nova perspectiva, possa ser utilizado integralmente será necessário que ele compre sempre da sua empresa pelo resto da vida, portanto a fidelização é fundamental.

Para o exemplo da fotocópia a compra será sempre repetida mas no caso de uma casa ou apartamento em que pessoa compra em média 1ou 2 casas durante toda a sua vida? Para estes casos é preciso imaginar que além da recompra ele pode indicar outros clientes para sua empresa. Além desta possibilidade de indicação o cliente pode adquirir serviços  complementares como reformas, conservação e manutenção da casa que comprou.

O importante é termos em nossa mente que o cliente vale muito mais que uma simples compra e quando nossos funcionários enxergam isso o atendimento melhora significativamente. Vamos fazer uma pequena conta para ilustrarmos esta idéia:

Uma pessoa que gasta mensalmente no supermercado R$ 500,00, imaginando que ela começou a fazer suas compras com 25 anos de idade (antes vivia com os pais e as compras eram realizadas pela família) e que viverá até os 75 anos de idade (idade média do brasileiro é de 76 anos), ao todo gastará com supermercado em sua vida algo em torno de R$ 300.000,00 (trezentos mil reais) (R$ 500,00 por mês X 12 meses X 50 anos) sem contar as possíveis indicações.

Quando este cliente entra na porta de um supermercado cada funcionário tem que enxergar nele um potencial de 300 mil reais e não apenas uma compra de R$ 100,00 feita a cada semana. Isto muda toda uma lógica de atendimento e valorização do cliente exigindo estratégias de fidelização por parte da empresa.

Quanto cada cliente vale em sua empresa? Leia mais e comente no blog Marketing e Vendas.

Read Full Post »

Considerada um ponto de encontro para troca de conhecimento e interação entre empresários de diversas áreas e setores, a rede permite ao empresário que se tornar membro acompanhar notícias e dicas de negócios no Blog, tirar dúvidas e interagir com outros empresários no Fórum, ficar por dentro dos Eventos para empresários de todo o Brasil e colaborar com a agenda da rede. Além disso, há diversos vídeos e fotos com dicas, notícias e cobertura de eventos, com espaço para o próprio membro contribuir e postar.

Sou empresário é um lugar para os empresários falarem com outros empresários, compartilharem experiências corporativas, debaterem sobre o setor em que atuam, tirar dúvidas sobre negócios e contar sobre a empresa que possuem. Uma iniciativa que visa fomentar a necessidade de encontro, a troca de experiência e o aprendizado que possuem os empresários de todo o Brasil, de todos os setores.

Sou Empresário também está em outras redes, levando notícias, cases, dicas de negócios e empreendedorismo a todos, abrindo espaço para participação. Acompanhem!

Twitter

Facebook

Orkut

Read Full Post »

Depois que começou para valer a evolução comportamental na globosfera, surge a onda da busca da privacidade. Será privacidade ou a necessidade de esconder algo… Se tem?…Porque publica?

A dicotomia entre o público e privado pode terminar se repensarmos o nosso modelo mental de começar a refazer a leitura do que se busca não é tornar algo simplesmente público, mas buscar a sociabilidade, promovendo uma nova cultura de empatia e compromisso social. Segundo Markus Albers, essa é a nova moeda da e-economia.

O medo é que gera restrições e obscuridade na vida e nas empresas.

Muitas empresas estão já interagindo na globosfera através do Sites, Blogs, Twitter, Orkut,Facebbok, Youtube, Flickrs e outros canais de redes sociais.

O desafio para as empresas que estão nessa, é lidar com a transparência e as opiniões alheias. E o único conselho que se dá é ter COERÊNCIA.

O desafio para as empresas que ainda não estão oficialmente, podes crer… elas já estão! Elas estão através de seus consumidores.

Logo, todas as empresas que buscam seu sucesso empresarial precisam assumir e começar a apreender e reaprender, desconstruindo conceitos e construindo saberes com seus consumidores: satisfeitos e insatisfeitos que expressam sua opinião na internet.

A socialização é necessária para gerar dignidade e crescimento social para conviver neste mundo atual. E para as questões empresariais, é crucial essa abertura para aperfeiçoar-se e gerar o crescimento empresarial com cooperação dos seus consumidores.Algo tão desejado para as empresas que buscam a fidelização, mas tão temeroso, atualmente com o medo do novo…

Seja coerente e comece a interagir com os seus consumidores que a abertura para escutar e trocar idéias vai gerar socialização de sua empresa.

Leia mais e comente no blog Casos & Causos.

Read Full Post »

Eventos são estratégias de comunicação aproximativa que precisam ser corretamente utilizados por seus executores. Em primeiro lugar só deve fazer eventos quem tiver competência para organizar e paciência para suportar as horas de estresse. Desde a organização de uma reunião até um congresso de vendas tudo precisa ser cuidadosamente pensado. Então vamos às principais orientações para quem deseja organizar um evento.

Inicialmente planeje bem. Planejar é fundamental para o profissional de eventos. Tudo deve ser criteriosamente pensado e as chances de que alguma coisa saia errado são de 100%. Portanto, não vacile. Convites, recepcionistas, serviço de alimentação, transporte, divulgação, cerimonial, enfim, uma série de itens precisa ser checada várias vezes. Além disso, escolha os melhores fornecedores, nem que para isso você precise pagar mais caro. Lembre-se que caro é aquilo que você não gosta.

Certa vez um amigo organizou uma cerimônia de posse da diretoria de uma organização estatal. Tudo ia muito bem, até o momento que ele despachou os envelopes para os convidados. Os envelopes seguiram, mas sem o convite. O nível de estresse que ele viveu foi algo inacreditável. O evento, é claro, ficou muito esvaziado e ele perdeu o cliente.

Em outra oportunidade, numa entrega de um premio nacional, o mestre de cerimônia subiu ao palco inteiramente alcoolizado. E apesar da riqueza do evento, da beleza dos detalhes, do buffet delicioso, todos se lembraram do vexame do cerimonialista

Então, antes de qualquer ação operacional, devemos pensar o evento, detalhe a detalhe, etapa a etapa e levantar todas as variáveis que podem contribuir para que o evento seja um fracasso. Se você, por exemplo, vai realizar um evento a céu aberto, precisa contar com a possibilidade de chuva, queda de temperatura ou excesso de calor. Certifique, também, que todos os seus fornecedores são responsáveis e de excelente qualidade.

Fique certo que um evento é mais lembrado pelo que deu de errado que pelo sucesso. As falhas, as gafes, os improvisos chamam muito mais a atenção que o andamento perfeito das coisas. Aliás, como dizem alguns, tem muita gente que fica torcendo para que a noiva caia em pleno altar.

Organizar um evento, portanto, não é uma tarefa para amadores, para quem fica conquistando clientes pela redução de preços ou pela entrega de um serviço de qualidade duvidosa. Os melhores e grandes clientes são aqueles que exigem perfeição do começo ao fim e que estão dispostos a se tornarem visíveis para seus públicos por meio das ações de eventos, não se importando muito com quanto irão ter que investir. É claro, porém, que preço é um ponto muito importante dentro do planejamento orçamentário de qualquer evento. No entanto, não deve ser o condicionante para a exclusão de serviços de qualidade que garantirão a plena satisfação de seus clientes. Se for organizar eventos, pense em tudo isso.

Saiba mais no blog Comunicação Empreendedora.

Read Full Post »

Muitas pessoas pretendem abrir um empreendimento, concretizando seus objetivos com a constituição de uma sociedade empresarial com amigos, parentes e ou investidores.

Neste post gostaria de refletir sobre a escolha e aspectos negociáveis que precisam ser realizados antes de se pactuar a sociedade. Este momento prévio é importante para o sucesso empresarial, pois a relação societária interfere na gestão do empreendimento.

Primeiro faz-se necessário saber escolher o potencial sócio. Nunca faça acordo para uma sociedade por conta do investimento que este suposto sócio vai fazer ou porque sua atividade exige uma constituição jurídica societária.

Averigue o perfil desse sócio quanto a:

  • valores que norteiam sua vida princípios éticos;
  • visão de futuro do negócio;
  • grau de ambição;
  • enxergam o empreendimento como sobrevivência, um bico ou uma oportunidade;
  • compatibilidade ou tolerância religiosa;
  • habilidade interpessoal no saber se relacionar com sócio(s), funcionário(s) e clientes;
  • contribuições não financeiras para sociedade – conhecimentos, rede de contatos e tempo para atuar na empresa
  • Ao realizar a análise econômica e financeira do futuro empreendimento, verificar:
  • potencialidade do empreendimento de gerar o pró-labore aceitável para os sócios;
  • montante financeiro que cada um irá investir para compor o patrimônio societário;
  • definição da distribuição das cotas que irão representar a composição e responsabilidade do capital social da empresa.

Para o dia a dia da empresa é fundamental criar algumas regras antes de assinar o contrato social:

  • definição das retiradas financeiras e sua periodicidade;
  • decisões que cada sócio poderá tomar de forma autônoma ou em conjunto;
  • auditoria e acompanhamento do histórico financeiro da empresa;
  • atividades que cada um irá exercer no empreendimento;
  • ter ou não a presença de familiares na gestão da empresa;
  • em caso de sucessão de um dos sócios, poderão os parentes assumirem ou as cotas terão que ser comercializadas para outro sócio, com concordância do atual sócio que pretende dar continuidade ao empreendimento;
  • por algum motivo haja a necessidade, um dos sócios precise se retirar da sociedade, qual será o procedimento ou tramitação de troca de sócio e o método de valorização ou precificação das cotas.

Quer saber como fazer isso ANTES de firmar uma sociedade? Leia mais e comente no blog Casos & Causos.

Read Full Post »

Older Posts »