Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Empreendedorismo’ Category

O Brasil comemora o Dia Nacional da Pequena Empresa nesta terça-feira. E especialmente neste ano, há muito a se comemorar. O presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, destaca o reconhecimento dos negócios de pequeno porte, que deixaram de ser atores secundários e ocuparam o centro da agenda nacional. “Em todas as esferas de governo, essas empresas são indutoras do crescimento socioeconômico e do desenvolvimento brasileiro.

O presidente do Sebrae ressalta que as empresas de pequeno porte são as maiores empregadoras de quem se habilita ao primeiro emprego no País. “Também são a opção de trabalho para as mulheres, que vêem nessas empresas a porta de entrada para o mundo do trabalho”, diz. As micro e pequenas empresas são responsáveis por mais de 54% dos empregos formais, conforme dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

As MPE respondem por cerca de 20% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. “Por isso, no dia 5 de outubro é importante render homenagem a esses brasileiros que ajudam a criar a riqueza nacional, geram empregos e empreendem negócios inovadores”, assinala Okamotto. Ele lembra que esse segmento vem se qualificando empresarialmente e, nos últimos anos, conseguiu superar os desafios e obstáculos impostos pela crise financeira global.

O Sebrae, por sua vez, tem a missão de apoiar as micro e pequenas empresas em todas as suas dimensões. É uma instituição criada pela sociedade e que vem ajudando na desburocratização, levando conhecimento aos empresários por meio de cursos, consultorias, capacitações e diversas outras soluções para melhoria da gestão e acesso a mercados.

Os resultados são contados em números. Desde 2007, 2,7 milhões de empresas passaram a optar pelo Simples Nacional, que hoje é a estrutura fiscal adotada por 4 milhões de micro e pequenas empresas. Mais de 2,1 mil municípios já regulamentaram a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, o que cria um melhor ambiente para o empreendedorismo no País e proporciona um consistente mecanismo de desenvolvimento local. Os benefícios da Lei Geral vão além dos tributários. Ficou mais fácil obter crédito, tecnologia, exportar, vender para o governo, abrir empresas, se formalizar.

A regularização elevou a participação das MPE no total de compras feitas pelos governos. O volume passou de R$ 2 bilhões por ano antes da aprovação da Lei Geral para R$ 14,6 bilhões em 2010. A lei que criou a figura do Empreendedor Individual em julho de 2009 foi outra conquista. Pouco mais de um ano após entrar em vigor, 600 mil autônomos formalizaram seus negócios em todo o País.

“Rendemos homenagem aos empresários dos diversos setores da atividade econômica do País, e reiteramos que o Sebrae vai continuar parceiro das micro e pequenas empresas”, garante Paulo Okamotto.

Agência Sebrae de Notícias – (61) 2107-9106, 2107-9110, 8118-9821 e 9977-9529
www.agenciasebrae.com.br

Read Full Post »

A velha lógica de concluir um curso superior para se tornar mão-de-obra qualificada para o mercado de trabalho está sendo invertida aos poucos. De acordo com pesquisa divulgada pelo U.S. Census Bureau, 85% dos universitários americanos estão se preparando para abrir suas próprias empresas. Outro dado, também divulgado por esse instituto dá conta que é cada vez mais comum abrir o próprio negócio sem largar o emprego fixo. Estão ocupando: hora a condição de empregados, hora a função de empreendedores.

Essa realidade também se observa no Brasil. Há milhões de pessoas que são funcionárias e que em outro horário ou nos finais de semana, são empreendedores, trabalhando por conta própria. É o caso de Luiz Carlos Vidrem, contador de uma grande empresa em Maceió e que tem um pequeno escritório de contabilidade, onde atende, depois do expediente, pessoas físicas e jurídicas. Segundo ele, ser empreendedor, além de empregado, não apenas contribui para o aumento na renda, mas lhe proporciona mais desafios e segurança.

Se você ainda não é dono do seu próprio negocio e ainda sofre daquele receio de trocar o certo pelo duvidoso, comece a pensar na possibilidade de começar sua empresa aos poucos, como começou Luiz Carlos, dividindo bem o seu tempo e fazendo uma boa programação de suas responsabilidades.

É sempre bom lembrar que sonhos nem sempre se tornam realidade, muitas vezes por insegurança, por comodismo ou simplesmente por não se crer no próprio potencial. Coragem, decisão e planejamento às vezes são o suficiente para vencer obstáculos e conquistar essa esperada segurança de seguir em frente.

E mais uma dica: nunca deixe de se capacitar. Leia bastante, mantenha sempre ativa sua rede de relacionamentos e faça treinamentos constantemente. O Sebrae é uma das instituições que oferecem as melhores soluções para quem deseja iniciar um pequeno negócio ou melhorar a performance do atual.

Leia mais e comente no blog Comunicação Empreendedora.

Read Full Post »

Como conseguir ser um empresário vencedor? como conquistar um bom emprego? Como obter a independência financeira? A maioria das pessoas vivem em busca do sucesso, mas poucas pensam com seriedade no assunto e fazem bons planos para transformar seus sonhos em realidade.

Estudos revelam que apenas 15% dos que conseguiram vencer, independente do ramo de atuação, o fizeram graças a capacidade técnica e o conhecimento. Os outros 85% conseguiram devido às habilidades de relacionamento humano. Evidenciando que lidar com pessoas, começando por nós mesmos, deve ser uma prioridade para os que desejarem ser bem sucedidos.

Freqüentemente, focamos a realização da tarefa diante de nós, em vez de perceber o valor encontrado nas habilidades que constroem e mantém os relacionamentos. E o que é mais interessante, para não dizer cruel, os 15% ligados a atividades do conhecimento, absorvem 85% ou mais do nosso tempo. No fundo, acreditamos que a tarefa é prioritária e não ficamos em paz enquanto não a realizamos. Nada de errado, não fosse ela nos consumir tanto.

Um bom exemplo disso é quando nos dirigimos ao restaurante. Naturalmente, vamos lá para comer, e ao fazê-lo estamos consumindo o resultado de uma tarefa (a refeição que nos é servido). No entanto, pare e pense nisso por um minuto. A pessoa que pode fazer ou quebrar toda a experiência é geralmente o garson, recepcionista, atendente ou quaquer funcionário com quem mantivermos contato. Se a atitude deles forem positiva, educada e amistosa, tudo estará bem. Mas, se isso não ocorrer, a experiência será desagradável e é isso que contará.

Pense nas ocasiões em que você foi ao restaurante é teve algum tipo de problema. Eu sou capaz de apostar que eles estão muito mais associados as habilidades (ou falta delas) humanas do que à comida que lhe foi servida (conhecimento de culinária). Daí mais um exemplo de que as habilidades no relacionamento humano é primordial para o sucesso.

Diante disso, cabe perguntar: você trata as pessoas que trabalham com você todos os dias com respeito, carinho e admiração? Leia mais no blog Visão do Empreendedor.

Read Full Post »

As marcas brasileiras vêm ganhando espaço no mercado mundial. As que mais se destacaram neste último mês foram a Brahma e a Seara. As duas foram patrocinadoras oficiais da copa do mundo de futebol FIFA 2010. Mas será que elas significam algo para quem as visualizou?

O que me chamou a atenção é que outras marcas de países emergentes como a China e a Rússia também aproveitaram esta oportunidade de visibilidade para lançarem suas marcas para mais de dois bilhões de telespectadores que assistiram aos jogos da copa. Quando enxergava uma marca nova tentava identificar que produto e serviço ela representava. Na grande maioria dos casos não conseguia associar a marca ao produto anunciado, ou seja, aquela marca simplesmente não fazia sentido para mim. Isso também ocorre com várias marcas que anunciam nos autódromos da Fórmula 1.

Fico imaginando um Indiano que assistia a um jogo da copa e visualiza uma placa vermelha escrito Brahma. Brama, também conhecido pela grafia Brahma, é o primeiro deus da trindade do hinduísmo (Wikipédia). Tenho certeza que os indianos nunca associarão Brahma a uma bebida alcoólica.

Você deve estar pensando que este mundo está muito distante de sua realidade e, portanto isso não é válido para uma pequena empresa. Muito pelo contrário cada vez mais as marcas estão se “mundializando” e empresas que começam pequenas logo ganham espaço em outras localidades. Então quando for escolher uma marca para sua empresa leve em consideração:

– Sua marca deve ter algum significado para seu cliente. Um exemplo pode ser a marca “Multitrava”. Para os leitores da língua portuguesa mesmo que nunca tenha ouvido falar nesta marca poderá intuir que se trata de um cadeado ou algo que fecha a casa ou seu carro. Em outras línguas não terá significado nenhum.

– Se a marca por si só não expresse qual o produto ou serviço ela representa a marca deve vir acompanhada por um slogan que explique.

– Tome cuidado para que o significado de sua marca não tenha uma conotação negativa em outros países. Um carro foi lançado com o nome NOVA. Em países com a língua espanhola teve que ter seu nome trocado, pois o nome ficava algo como NO VA ou não vai. Um carro que “não vai” não pode ser bom. O carro Fox concebido aqui no Brasil teve que mudar o nome no México, pois o Presidente mexicano tinha o sobrenome Fox. É como alguma empresa lançar um produto com o nome “Lula” e chegar aqui no Brasil com este nome, não cairia bem.

Todo cuidado é pouco quando escolhemos um nome para nosso produto e temos que pensar que um dia nossa empresa pode crescer e atingir outros mercados principalmente com a ajuda da internet.

Leia mais e comente no blog de Marketing e Vendas.

Read Full Post »

O preço e a qualidade ainda são fatores decisivos na compra, mas não têm sido os únicos, principalmente nos dias de hoje, em que as empresas estão disputando cada vez mais a preferência dos consumidores. Os clientes estão cada dia mais exigentes e conscientes de seus direitos, por isso prestar um atendimento de qualidade tem sido usado como diferencial competitivo.

Mas, nem todas as empresas levam tão a sério o fator atendimento. Por exemplo, há alguns dias, estive em uma grande loja de materiais esportivos para comprar agasalhos para os meus filhos. Enquanto escolhíamos os agasalhos, observei que dois vendedores batiam papo descontraidamente, quando repentinamente apareceu um cliente esbravejando contra um deles, que o havia deixado esperando pelo seu atendimento. O mais incrível de tudo isso é que o vendedor começou retrucar o cliente com palavras ásperas, fazendo com que o mesmo deixasse a loja, dizendo que não mais voltaria a comprar naquela loja.

Provavelmente este cliente não voltará a comprar nesta loja, pelo atendimento recebido. O interessante disso tudo é que, embora muitas empresas estejam investido cada vez mais dinheiro em infraestrutura e tecnologia, esquecem de um dos principais aspectos de uma venda: como atender bem o cliente, ou melhor, como encantar o cliente.

Estudos mostram que o principal motivo pelo qual clientes deixam de comprar produtos ou solicitar serviços, é porque consideram os atendentes indiferentes ou pouco dispostos a ajudar. Isso ocorre porque, para o consumidor, quando ele está em contato com um empregado da empresa, está falando com a empresa e não com o empregado.

Um bom atendimento começa pela vontade e determinação do empresário em prestar um atendimento diferenciado e, se possível, personalizado para o seu consumidor.  Como fazer isso acontecer na empresa? Leia mais e comente no blog do Egnaldo Paulino.

Read Full Post »

Uma constatação que pode ser percebida no mercado, é que historicamente um grande número de empresas brasileiras nasceu e se formalizou, sem qualquer recurso financeiro, ou na melhor hipótese, com um mínimo de dinheiro no bolso, disponível apenas para a primeira compra de produtos, e esta condição inicial, acabou por se tornar uma forma de administração empresarial, dia após dia, ou seja, vender os produtos ou serviços, receber o pagamento dos clientes, para imediatamente pagar os custos do mês anterior, e se possível descontar hoje, todos os cheques futuros, para completar a necessidade atual de caixa e com sorte sobrar alguma coisa para cobrir os gastos pessoais.

Apesar de toda a determinação dos empreendedores para manter o seu negócio respirando, 27% deixam de existir logo no primeiro ano de atividade, para no segundo ano outros 38% não agüentarem a luta e ainda 46% deixarem o campo de batalha do mercado no terceiro ano, segundo pesquisa do SEBRAE-SP, realizada em 2008.

Com certeza uma das principais razões deste desaparecimento precoce é a total falta de controle sobre as informações financeiras básicas das empresas, seguindo aquele frenesi, que aparentemente deu certo na abertura do negócio, ou seja, sem caixa suficiente para manter em dia os principais compromissos, mas vendendo e pagando os credores, do jeito que era possível.

Qualquer empreendimento, que pretende não apenas sobreviver, mas também crescer e progredir, precisa de um mínimo de informações empresariais, consideradas fundamentais para a gestão do negócio, como:

  • Qual o resultado da operação mensal: lucro ou prejuízo.
  • Qual o ponto de equilíbrio da empresa.
  • Qual o saldo de caixa, para amanhã, depois, daqui a três meses?
  • Qual a necessidade de capital de giro.

Você ficou surpreso com alguma destas informações? Leia o texto completo no blog Consultoria Individual.

Read Full Post »

Considerada um ponto de encontro para troca de conhecimento e interação entre empresários de diversas áreas e setores, a rede permite ao empresário que se tornar membro acompanhar notícias e dicas de negócios no Blog, tirar dúvidas e interagir com outros empresários no Fórum, ficar por dentro dos Eventos para empresários de todo o Brasil e colaborar com a agenda da rede. Além disso, há diversos vídeos e fotos com dicas, notícias e cobertura de eventos, com espaço para o próprio membro contribuir e postar.

Sou empresário é um lugar para os empresários falarem com outros empresários, compartilharem experiências corporativas, debaterem sobre o setor em que atuam, tirar dúvidas sobre negócios e contar sobre a empresa que possuem. Uma iniciativa que visa fomentar a necessidade de encontro, a troca de experiência e o aprendizado que possuem os empresários de todo o Brasil, de todos os setores.

Sou Empresário também está em outras redes, levando notícias, cases, dicas de negócios e empreendedorismo a todos, abrindo espaço para participação. Acompanhem!

Twitter

Facebook

Orkut

Read Full Post »

Older Posts »